Inteligência Artificial aplicada no campo com as agrotechs

Inteligência Artificial aplicada no campo com as agrotechs

As novidades tecnológicas invadiram o setor do agronegócio. E, conforme já mencionamos aqui no blog, a protagonista dessa revolução é a transformação digital. Não apenas no setor agrícola estamos vendo mudanças, mas também na saúde, varejo, educação e finanças. As mudanças geradas pela tecnologia vieram para ficar. 

Neste novo cenário para os produtores agrícolas, surge uma nova etapa em que a produtividade atingirá um nível nunca antes imaginado. E quem irá garantir que isso aconteça é a Inteligência artificial. 

Essa tecnologia promete transformar toda a cadeia do agronegócio, com sistemas inteligentes e automatização. Mas, como isso será inserido no campo? O que já é realidade no mundo das inovações tecnológicas?

O que são Agrotechs

As agrotechs são as startups do setor agrícola. Em termos gerais, são empresas inovadoras em termos de tecnologia que tem como objetivo transformar o trabalho no campo. 

Neste contexto, as agrotechs procuram facilitar o dia a dia do produtor rural, otimizando a produção, com soluções desde o cultivo à criação, até mesmo na etapa de distribuição e comercialização do produto. 

Com as inovações promovidas pelas agrotechs, o maior benefício, com certeza, é o aumento da produtividade e agilidade na cadeia do agronegócio. Além disso, a agricultura 4.0 (reunião de todas as tecnologias digitais utilizadas), promove os seguintes benefícios:

  • Gestão orientada a dados;
  • Produção combinada à tecnologia;
  • Etapas agrícolas visando a sustentabilidade;
  • Qualificação da mão de obra no campo.

Esses benefícios possibilitam o melhor controle de pragas, segurança do trabalho e cuidados com a saúde dos animais aprimorados. 

A tecnologia possibilitou o uso de maquinário e recursos com diferenciais competitivos perante o mercado externo. E, com as agrotechs, a inovação vai ainda além. A Inteligência Artificial surge com a criação de sistemas inteligentes. Ou seja, que são capazes de pensar, assimilar, tomar decisões e solucionar problemas. 

Inteligência Artificial aplicada no campo

Com os sistemas inteligentes que são capazes de pensar e tomar decisões sozinhos, a automação da agricultura brasileira se elevou a outros patamares. Atualmente, as fazendas já são conectadas e monitoram a colheita em tempo real. Assim, é possível antever cenários e solucionar possíveis problemas agilmente e, minimizar riscos e otimizar recursos. A gestão é orientada a dados, facilitando as atividades do produtor rural. 

Além disso, os maquinários também estão as vias de transformação. Já existem protótipos de tratores que funcionam de forma inteligente, sem a necessidade de um operador. Isso é possível com o uso do sistema de autodireção – já disponível em máquinas agrícolas de agora. 

A Inteligência artificial, por sua  vez, possibilitará a tomada de decisão do próprio veículo, que poderá modificar o que está fazendo em caso de chuva, mudando sua rota, por exemplo. E mais: tudo poderá ser acompanhado em tempo real pelo produtor rural ou pelo responsável através de um smartphone. Não haverá mais fronteiras. 

E são as agrotechs as responsáveis por estudar e aplicar essas inovações tecnológicas no campo. 

O mercado Agtech e a Inteligência Artificial

O mercado agtech (de startups agros) possibilitou um recurso conhecido como Alice. Uma inteligência artificial que funciona como uma assistente virtual do produtor rural. É possível conversar com ela, tirando dúvidas sobre os processos do agronegócio. 

Essa inteligência artificial utiliza o Watson, da IBM, um sistema baseado em redes neurais e com a tecnologia conhecida como deep learning. 

A Alice poderá também analisar grandes volumes de dados, detectando padrões que escapam à capacidade humana. Com isso, será possível melhorar ainda mais a produtividade do campo e a operacionalização da colheita. Como?

Com indicações de melhores práticas, comparações de cenários, alertas e programação das atividades de forma ágil e eficiente, sempre com monitoramento em tempo real. E tudo será possível, conforme previsões, ainda esse ano. 

As expectativas, contudo, não param por aí. Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee afirmaram, em artigo publicado na Harvard Business Review, que o gargalo da gestão e implementação de sistemas inteligentes no campo poderão desaparecer. Afinal, ainda é impossível calcular as transformações que a Inteligência Artificial é capaz de gerar no campo. 

Entretanto, podemos ter uma certeza: os aperfeiçoamentos tecnológicos estão em um ritmo cada vez mais ágil e a agricultura digital veio para ficar. E, as agrotechs recebem cada vez mais investimentos para encontrarem novas soluções de previsão de cenários e agilidade de adaptação. Nesse cenário, a inteligência artificial será a protagonista, mais uma vez, na hora de avançar novas fronteiras. 

Você já conhecia a assistente virtual Alice? Quais sua opinião sobre a inteligência artificial aplicada no campo? Conte pra gente nos comentários!