Como fazer a avaliação da fertilidade do solo

Como fazer a avaliação da fertilidade do solo

Apesar de todas as inovações trazidas pelo uso da tecnologia para incremento da produtividade no Agro, ainda há muitos erros na hora da adubação. Por consequência disso, temos vistos o surgimento de sintomas de deficiência e toxicidade em algumas culturas. Além disso, também o desbalanço nutricional e a fome oculta. Todos esses fatores têm impacto negativo na produtividade. 

A adubação tem, sim, a tecnologia como aliada na hora do uso de fertilizantes. Entretanto, é preciso um diagnóstico assertivo quanto à análise do solo. E isso garantirá o aumento na eficiência do uso de fertilizantes. 

O que é necessário para uma avaliação assertiva da fertilidade do solo?

Em primeiro lugar, é necessário aderir a análise do tecido vegetal. A falta de uma análise eficiente ou de uma correta interpretação dos dados tem sido a maior responsável pelo manejo incorreto da fertilidade, além do desbalanço nutricional devido a redução da qualidade da produção agrícola e a utilização do total potencial das culturas. 

Para uma avaliação assertiva da fertilidade do solo, antes mesmo do diagnóstico nutricional das plantas, é preciso separar os sintomas nutricionais de outras causas, como:

  • Pragas ou doenças presentes na lavoura;
  • Eventos climáticos e intempéries
  • Distribuição de plantas com sintomas na lavoura
  • Desenvolvimento de sintomas nas plantas
  • Histórico de adubação

Como é possível perceber, não apenas a identificação visual dos sintomas é necessária, como também verificar a quantidade de toxicidade presente na lavoura. Para isso, é preciso monitorar o estado nutricional da cultura. E, assim, recomendar a adubação do solo. Para isso, o produtor rural conta com duas ferramentas: a análise do solo e também a análise foliar. 

Critérios para recomendação de adubação

Os principais critérios técnicos para a avaliação da fertilidade do solo e então o uso correto de fertilizantes são:

Identificação de fatores nutricionais. É preciso verificar se está ocorrendo a produtividade nutricional máxima da cultura. Para isso, é necessário uma análise química do solo e uma análise foliar. 

Histórico de adubação. O histórico de adubação permitirá acessar as correções realizadas no solo. Isso irá auxiliar na hora da tomada de decisão. Para auxiliar nesse processo, o Brasil conta com análises de solo e tecido de laboratórios oficiais e credenciados. Isso garantirá um diagnóstico mais assertivo. 

É importante ressaltar que além de correções com fósforo e potássio, é importante observar os micronutrientes também. 

Análise foliar. Essa deve ser uma prática de rotina na produção rural. Afinal, essa análise irá garantir o manejo da adubação e também a avaliação nutricional foliar. Infelizmente, são poucos os produtores que, de fato, analisam os tecidos. E por isso há a recomendação incorreta de adubação. 

Essa análise é responsável por identificar se as culturas estão recebendo nutrientes fundamentais do solo e também quais os teores. Além disso, também identifica o equilíbrio nutricional e possíveis contaminações do ambiente. 

A avaliação da fertilidade do solo, portanto, é fundamental não só para garantir a produtividade da lavoura como também para a segurança alimentar. Como pudemos ver nesse post, a avaliação incorreta acarreta em desbalanço nutricional, além de possíveis contaminações ou desequilíbrio nutricional. Isso irá acarretar em prejuízos para a produção rural. Afinal, não estará utilizando o potencial máximo da lavoura. E, até mesmo, acarretando em utilização excessiva de fertilizantes, o que gera um alto custo para o produtor. 

Ficou com alguma dúvida sobre a avaliação da fertilidade do solo e adubação? Deixe-a nos comentários!